Emilie de Villeneuve

RELACIONADAS

Mais um momento de partilha da Aprendizagem Solidária!...

Os alunos do 2º ano EF preparam um conto ilustrado sobre Santa Emilie de Villeneuve....

Irmã Joaninha fala sobre a atuação feminina no espaço sinodal....

Instalação no Espaço Científico-Cultural nos transporta para a vida de quem calça outros sapatos....


Emilie era a terceira filha de Louis de Villeneuve e Rose d’Avessens e nasceu em Toulouse, no sul da França, no dia 9 de março de 1811. Os pais haviam escapado da Revolução de 1789 e construíram sua família sobre valores morais e cristãos, sem ostentações.

Infelizmente sua infância e adolescência foram marcadas pela morte precoce da mãe e da irmã, o que lhe forjou um caráter forte e discreto, de emoções sinceras, mas pouco dado a manifestações sentimentais. Com o correr dos anos e das constantes obrigações políticas do pai, ela passou a administrar o castelo da família, desenvolvendo um senso de organização e economia, e a dedicar-se mais aos pobres com quem tanto se preocupava.

Aos vinte anos, optou pelo desejo que lhe falava o coração: a vontade de ser totalmente de Deus. Sua família se opunha porque a realidade exigia seus préstimos na administração na propriedade. Em respeito ao pai, cumpriu o pedido ele lhe fez de que aguardasse quatro anos até sua decisão final, que pensasse melhor a respeito.

Surgiu nesse tempo, uma vontade ainda mais profunda de seu objetivo cristão: fundar uma família religiosa. Não imaginava a si como fundadora, porque seu maior desejo era ser uma humilde serva. Não foi assim que os céus a viram cumprir sua missão: em 1836, após um curto noviciado, Emilie de Villeneuve, com mais duas companheiras, fundou a Congregação das Irmãs de Nossa Senhora da Imaculada Conceição. Era o dia 8 de dezembro.

Emilie tinha a Deus como fonte de toda verdade e de todo o bem e olhava o próximo dentro de sua fragilidade, o acolhia e o trazia junto dela. Sua espiritualidade cativava a todos. Em vista disso, para sua Congregação, fez  outro voto: trabalhar pela salvação das almas.

Emilie morreu vítima de cólera no dia 2 de outubro de 1854. Morreu silenciosa e discretamente, assim como viveu. Ela foi a única vítima fatal.

Em 5 de julho de 2009, foi beatificada, após o reconhecimento oficial, por parte da Igreja, de um milagre realizado por sua intercessão, em favor de Binta Diaby, uma africana desenganada pelos médicos.

A cura da pequena Emily, uma menina de nome igual ao da Madre, foi seu segundo milagre - esse ocorrido em território brasileiro - e levou à canonização realizada numa cerimônia em Roma, celebrada pelo Papa Francisco. No dia 17 de maio de 2015, Jeanne Emilie de Villeneuve tornou-se Santa Emilie.

São ainda muitas as referências da força de seu carisma daqueles que a ela rogam uma saída às aflições. Emilie de Villeneuve é essa luz.

 


X
RECUPERAÇÃO DE SENHA
E-mail:
Preencha o campo acima com seu e-mail de cadastro para receber uma nova senha.
Ok